ECOTURISMO

Puerto Madryn como base na Patagônia Argentina


Localizada na província de Chubut, no início da Patagônia Argentina e banhada pelo Oceano Atlântico, Puerto Madryn é conhecida por sua natureza exuberante e rica vida marinha. Neste artigo trago dicas para planejar a viagem e conto como foi o meu roteiro de 4 dias. 

Texto continua após serviços. Links podem nos gerar comissão, mas você não paga nada a mais por isso.

Saiba onde nos hospedamos

Agende passeios e transfer agora na Civitatis, Get Your Guide ou saiba como funciona

Acesso rápido:

O que fazer em Puerto Madryn

Dois mergulhadores no mar azul e cidade de Puerto Madryn ao fundo
Puerto Madryn vista de um barco no Golfo Nuevo

Praias, museus e observar a vida selvagem em seu momento reprodutivo é o que há de melhor em Puerto Madryn. Principalmente orcas, baleias, pinguins e elefantes-marinhos. Conforme a época vai encontrar filhotes ou casais acasalando, nesse segundo cenário os animais podem ser agressivos, portanto, recomendo a fofura dos pequenos como objetivo da observação. Além disso, Puerto Madryn é uma das maiores cidades da Patagônia, com mais de 120 mil habitantes, e infraestrutura necessária para visitar a Península Valdés e região.

Península Valdés é um dos principais pontos turísticos por ser um parque nacional abrigando diversas das espécies desejadas pelos turistas como as orcas, além de Patrimônio Natural da Humanidade. Distante 80 km de Puerto Madryn e com quase 4 mil km² exige planejamento ou contratar um tour de um dia como eu fiz. Deixo as atrações da cidade e passeios partindo dali.

Passear pelas praias e orla a pé, de barco e pedalando

Puerto Madryn têm 50 km de praias de cor azul intenso, algumas movimentadas e outras desertas. Na praia Paraná estacionam motorhomes para aproveitar o visual relaxante com areias brancas afastado da zona urbana, já a praia de Puerto Madryn está na área central com a estrutura da Rambla Puerto Madryn. Se alugar uma bicicleta pode ir de uma a outra em 10 km ou parar nos atrativos do caminho como o Ecocentro Pampa Azul (museu interativo sobre a região), o píer ou diversos restaurantes.

Aos finais de semana, locais e turistas lotam a Rambla Puerto Madryn para caminhar, praticar esportes ou tomar o mate. Se o cenário do Golfo Nuevo fica lindo no pôr do sol em março, imagina na temporada de baleias! Elas ficam aos montes se exibindo nessa baía, contaram os locais. 

Em frente ao píer partem passeios de barco para observar a vida marinha. Peguei uma lancha para procurar toninhas que não apareceram, mas o passeio nunca é perdido pelas explicações do guia, além de ir até a Reserva Lobería Punta Loma, uma colônia de lobos-marinhos e diversas aves como pinguins, albatrozes, gaivotas e mergulhões.

Rocha branca na beira do  mar de Puerto Madryn
Muitas aves em Punta Loma

O passeio de barco da Cruceros Ecológicos dura 3 horas e não nos molhamos na hora de subir ou sair da embarcação, entramos na areia e um trator leva na água. Faz paradas quando visualiza algum animal e oferece água e barrinha de cereal.

Há várias agências na Av. Julio Argentino Roca para alugar uma bicicleta por hora ou por dia.

Mergulhar no Golfo Nuevo

Puerto Madryn é um dos melhores destinos de mergulho da Argentina. Com águas cristalinas e fauna marinha diversificada, é possível mergulhar com lobos-marinhos, diversos peixes e mamíferos. Como em toda atividade com animais selvagens, nunca há certeza de aproximação deles, mas a observação de perto é garantida. No meu caso, foi snorkel em frente a uma colônia de lobos-marinhos em Punta Loma

Snorkel com lobos-marinhos

Pessoa vestida com roupa de neoprene mergulha no mar com snorkel e boia laranja. Rochas com lobos-marinhos ao fundo.
Mergulho foi mais de observação do que interação (© Bucea Hoy)

A temperatura da água fica entre 14 e 16 graus o ano todo, a diferença é o frio ao sair. Em março foi muito agradável mergulhar com roupa de neoprene 7 milímetros, não senti frio durante os 40 minutos na água e ao sair estava gostoso ficar no sol. Ganhamos facturas (pães doces típicos da Argentina) para recuperar as energias e chá quente enquanto o equipamento é organizado no barco e voltamos para a praia. Nesse dia, o instrutor de mergulho da Bucea Hoy, o Patrício (ele fala português), levou um grupo para mergulhar com cilindro em um navio afundado, enquanto eu fiquei na superfície encantada com os bebês lobos-marinhos e uma instrutora cuidando da minha segurança. Chegamos bem perto das pedras, mas não pode tocar, apenas observar e interagir com os animais quando se eles aproximam. 

O que acontece quando são filhotes aprendendo a nadar e o desinteresse deles na gente, os jovens, sim, são curiosos e se aproximam como aconteceu no mergulho em Cape Town, mas isso ocorre em Puerto Madryn a partir do final do inverno. Outro fator complicador e na época de acasalamento, quando os machos só pensam nas fêmeas e não deixam elas se aproximarem da gente. Se o seu maior desejo é mergulhar com lobos-marinhos, avalie a época para uma melhor experiência.

Bucea Hoy fornece roupa e equipamento de mergulho completo. Fica na Furnillo, 12, em frente ao mar onde a lancha nos pega. Além do passeio com snorkel, oferece cursos para iniciantes e mergulhadores experientes, inclusive para tirar a certificação PADI.

Visitar uma pinguinera

A província de Chubut abriga duas das maiores colônias e pinguins da América do Sul e, considerando a espécie magalhães, na Península Valdés fica a maior do mundo. A outra fica em Punta Tombo, distante 188 km ao sul de Puerto Madryn, onde passei a tarde fotografando esses bichinhos desengonçados e engraçados. O cenário é lindo com mar azul, vegetação rasteira de deserto e outros animais como guanacos, emas, aves e vacas. 

Mirante sobre as pedras (de cor vermelha) em praia com pinguins
Mirante em Punta Tombo e dezenas de pinguins na praia

Os pinguins são animais selvagens protegidos e Punta Tombo é seu habitat natural. Eles voltam todos os anos para continuar o ciclo da vida nos mesmos ninhos onde nascerem. Por isso, há uma série de regras como caminhar somente pelas passarelas, deixar eles passarem se afastando quando cruzam o nosso caminho e jamais tocar ou alimentar eles. São alguns caminhos onde é possível ver de perto os ninhos, os filhotes e os adultos relaxando no sol, mergulhando no mar ou trocando as penas. Há mirantes e bancos para observar a paisagem e relaxar.

Excursão para Punta Tombo

Entrei no tour guiado da Animal Travel que me buscou na pousada e fez algumas paradas no caminho, como na réplica em tamanho real do maior dinossauro já encontrado no mundo. Fica na entrada da cidade de Trelew, local onde um novo Museu Egidio Feruglio será inaugurado em breve. É apenas um dos mais importantes museus de dinossauros da América do Sul, com acervo impressionante de fósseis e esqueletos de dinossauros encontrados em sítios paleontológicos da Patagônia argentina. Outra parada foi na praia Isla Escondida para ver elefantes-marinhos de perto. Em março apenas os jovens descansam na areia, os adultos com trombas ficam em alto mar e são vistos somente na época de acasalamento. Na entrada de Punta Tombo, tem um museu com réplicas de todos os animais encontrados na região e muita informação sobre os pinguins.

Leve peso argentino para pagar a entrada no parque e um lanche para almoçar ao ar livre, tem restaurante e bar, mas preferi o meu sanduíche. O parque funciona somente na temporada de pinguins, de setembro a março.

Roteiro 4 dias em Puerto Madryn no final do verão

Dia 1 – Tempo para se acomodar na hospedagem e caminhar pela orla e centro. A tarde fiz o passeio de barco, mas poderia ter alugado a bicicleta e visitado museus. Aconteceu de eu pegar o voo da madrugada, ter dormido só no avião e passado boa parte da noite acordada no aeroporto de Buenos Aires. Isso me deixou com sono o dia inteiro, pude deixar minha bagagem na hospedagem e passear, porém, descansar em uma cama somente a partir do horário do check-in (14h no meu caso). Pense nisso na hora de montar o roteiro, deixe um tempo livre ou viaje durante o dia.

Prédio sobre as pedras e mar em Puerto Madryn
Ecocentro visto do passeio de barco

Dia 2 – Excursão de dia inteiro para a Península Valdés. A previsão é chegar no início da noite em Puerto Madryn, contudo, pode atrasar conforme a busca pelos animais. 

Dia 3 – Mergulho com lobos-marinhos no início da manhã. A tarde um almoço preguiçoso com vista para o mar, espumante e cordero patagonico, terminando com caminhada pela orla. Mas poderia ter contratado outro tour de meio turno ou visitado os museus.

Mulher com roupa de mergulho e snorkel no mar de Puerto Madryn, rochas brancas ao fundo.
Mergulho em Punta Loma (© Bucea Hoy)

Dia 4 – Excursão de dia inteiro para Punta Tombo. Como meu voo partiu de Trelew, no caminho para a pinguinera, o motorista me deixou no aeroporto. Se o voo fosse mais cedo e não desse tempo de fazer o tour, teria aproveitado para passear por Trelew e a pitoresca vila galesa próxima: Gaiman.

Mulher veste casaco vermelho e está agachada em uma passarela de madeira, ao lado um pinguim
Selfie protegendo o pinguim em Punta Tombo

Enfim, quando perguntam quantos dias na Península Valdés, diria 5 para fazer o que fiquei com vontade e 8 para mais tentativas de ver as orcas, afinal, 2 dias antes e 2 depois, elas foram avistadas.

Para mais sugestões de atividades e inspiração, não deixe de acompanhar o perfil oficial de turismo da cidade: @madryn.travel.

Pousada em Puerto Madryn

La Tosca é pousada e hostel com ótimo astral, no entanto, recomendo os quartos da pousada e não do hostel. São acomodações privativas para 2 a 8 pessoas em ambientes limpos e confortáveis. O café da manhã é bom com tortas caseiras, frutas, cereais.

O jardim e as duas cozinhas (uma fica 24 horas aberta) são áreas compartilhadas e agradáveis para interagir com outros viajantes. O centro e a orla ficam poucas quadras, se não gosta de caminhar, procure opções na orla. Uma dica é ler os comentários no Booking.com antes de escolher. 

Restaurantes em Puerto Madryn

Matilda foi o restaurante recomendado para o cordero patagonico e não decepcionou. Sente no terraço para a melhor vista.

Onde: Av. Julio Argentino Roca, 275.

Mesa em terraço com prato de carne e taça de vinho. Restaurante em Puerto Madryn
Cordero Patagonico com vista
Prato servido com batatas, pimentão e lulas em Puerto Madryn
Calamares com batatas

Náutico Bistró de Mar foi indicado por vários turistas e moradores para frutos do mar. Março era época de calamares (lula) frescos e estava maravilhoso. Outras boas pedidas para essa época são peixe-rei e anchova.

Onde: Bv. Almte Brown, 860.

Bendito Viento tem variedade de pratos a qualquer hora do dia. Fui de milanesa com batatas e saladas.

Onde: 25 de Mayo, 196.

Chona para comer com vista se sentar na janela. Tem variedade de pratos lindos de ver na mesa dos outros, mas pedi uma sopa para não enjoar no passeio de barco e achei sem graça. Faça outro pedido.

Onde: Av. Julio Argentino Roca, 249.

Puerto Madryn: quando ir 

Depende de quais animais deseja encontrar, as baleias-francas-austrais chegam à região para a temporada de reprodução entre os meses de setembro e novembro, algumas vem antes e outras espécies podem aparecer a qualquer época do ano, mas nenhuma confirma presença como as francas.

Para ver orcas e seu jeito único de caçar, somente nessa região, é preciso sorte que eu não tive. Elas apareceram 2 dias antes da minha chegada e deveria ser a melhor época. As orcas vêm em busca dos filhotes de lobo e elefante-marinho quando estão aprendendo a nadar, por serem vulneráveis, e isso acontece de setembro a abril. No entanto, menos de 10% dos turistas consegue ver as orcas, mas os sortudos garantem ser uma experiência incrível.

Os pinguins ficam de setembro a março acasalando no mesmo ninho onde nasceram ou os mais jovens trocam suas penas. Enquanto os golfinhos visitam de dezembro a março. Já lobos-marinhos, toninhas (golfinho escuro), variedade em pássaros e elefantes-marinhos são encontrados o ano todo.

Elefantes-marinhos dormem sobre algas
Elefantes-marinhos

O que levar na bagagem

Para aproveitar os dias em Puerto Madryn, leve roupas confortáveis (corta-vento é essencial), quentes e calçados adequados para caminhar. Protetor solar, boné e óculos de sol também são essenciais. Saiba mais no artigo sobre equipamentos.

Puerto Madryn: mapa

Como chegar e circular

O aeroporto mais perto de Puerto Madryn é El Tehuelche, distante 5 km do centro, mas as melhores ofertas encontrei para a cidade vizinha Trelew, vale pesquisar e avaliar a melhor opção de voo para a sua viagem. O site da companhia aérea Gol têm voos partindo do Brasil em parceria com a Aerolíneas Argentinas. Quem chega ou parte pelo aeroporto de Trelew pode contratar um transfer, alugar um carro retirando ali mesmo ou usar o transporte público. São vários horários de ônibus diariamente conectando as duas cidades distantes cerca de 90 minutos. De carro leva 50 minutos pela Rota Nacional 3.

Em Puerto Madryn pode fazer tudo a pé ou alugar uma bicicleta para percorrer a costa.

Para os principais passeios deve contratar o tour que busca na hospedagem se não estiver de carro, os pontos turísticos estão distantes ou nas cidades vizinhas. Uma dica para quem tem voo partindo de Trelew como eu, é organizar o passeio perto dessa cidade (como Punta Tombo), na volta, eles me deixaram no aeroporto e não gastei com transporte.

Estrada de terra e vista para o mar
Caminho de terra para Punta Tombo

Como ir do Brasil para a Patagônia Argentina

Já tive vontade de ir de carro e encontrei muitos motoqueiros e ciclistas fazendo esse trajeto, por enquanto minha experiência é de avião ou mesclando com ônibus. Aqui do Rio Grande do Sul é bem fácil e confortável pegar um ônibus leito para Buenos Aires e de lá pegar um voo para a Patagônia. O voo mais curto é para Puerto Madryn com duração de quase 2 horas e outra dica é não pegar o voo da madrugada, cheguei exausta por não dormir direito e o primeiro dia não rendeu como eu gostaria. 

Tem voos partindo de várias cidades do Brasil com escala em Buenos Aires, apenas atente as opções de tempo de espera e troca de aeroporto antes de finalizar a compra. O ideal é permanecer no mesmo aeroporto com mínimo de duas horas de espera para dar tempo de fazer a imigração. Se ficar muitas horas, corre o risco da sua bagagem despachada ser violada (aconteceu comigo mais de uma vez), então melhor aproveitar para passear e pernoitar na capital. Se comprar os trechos separados, definitivamente fique ao menos um dia em Buenos Aires, o normal é atrasar muito e as companhias aéreas só se responsabilizam quando todos os trechos são feitos na mesma compra.

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais. Imagens sem marca d’água de Altair Irigoyen.

Para quem chegou até aqui, agradecemos por valorizar o nosso conteúdo. Diferente das grandes corporações de mídia, Territórios é independente e se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e ouvintes. Você pode apoiar o nosso trabalho de diversas formas como:

1. Aproveitar os benefícios do financiamento coletivo

2. Levar nossos guias de viagem no celular

3. Contratar produtos e serviços recomendados através dos links nos artigos. Exemplos e como fazer: alugar veículos, reservar hospedagem e excursões, comprar seguro, chip internacional e moeda estrangeira, entre outros. A venda nos gera uma comissão sem aumentar o valor final, inclusive, repassamos os descontos para você.

A informação foi útil? Talvez queira apoiar e fazer parte da comunidade Territórios!

Compartilhe ideias e converse com outros leitores no grupo no Facebook ou acompanhe no Spotify e grupo de avisos do Whats App.

Por onde começar a planejar a viagem

  1. Se já sabe, se inscreva dizendo para onde será a próxima viagem e receba dicas exclusivas por e-mail.
  2. Quando a data estiver definida, pesquise as passagens áreas ou aluguel de carro. Mas antes de finalizar a compra, faça o seguro viagem quase simultaneamente para ter eventuais cancelamentos cobertos, além de assistência médica e perda de bagagem.
    2.1 Avalie levar chip de celular e vá comprando a moeda aos poucos.
  3. Então monte o roteiro e vá fazendo as reservas de hospedagem e passeios conforme o tempo disponível.
  4. Sem tempo para pesquisar? Clica no botão e preencha o formulário para entrarmos em contato com uma solução para você.
Inscrição para participar da viagem

A seguir deixo mais links sobre essa mesma região ou experiência.

^ Voltar início ^

Você está em INICIAL » ARGENTINA » Puerto Madryn » Puerto Madryn como base na Patagônia Argentina
Roberta Martins

Comunicadora, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 16 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e aventura. Saiba mais na página da autora. Encontre no Instagram

Write A Comment