Ir a Pelotas e não comer os tradicionais doces é o mesmo que visitar o Rio de Janeiro e não subir ao Cristo Redentor. O município de Pelotas, localizado no extremo sul do Estado gaúcho, é rico em história. É tanta história, que até os doces, por traz de cada receita, tem algo a contar. Estive recentemente visitando a cidade pela segunda vez nestes meus 40 anos de vida. Te confesso que a segunda vez foi melhor, porque além de experimentar quase todas as variedades de doces finos e tradicionais na confeitarias, de quebra, ainda conheci as charqueadas, o centro histórico, a praia do Laranjal além de fazer novas amizades.

Guia RS pra levar na viagem e ler em qualquer aparelho

Esta cidade é um dos destinos da Rota Farroupilha. Se prefere ter todo o conteúdo sobre este itinerário para consultar durante a viagem e ainda ter sugestão de roteiros com mapa interativo detalhado, adquira o guia Guia RS Rota Farroupilha >>

O texto continua após os serviços recomendados.

Leia todos os artigos sobre o Rio Grande do Sul

Estado em risco alto e altíssimo com bandeiras vermelha e preta para Covid-19.

Alugue um carro e rode pelas estradas gaúchas com maior liberdade

Por Luciano Nagel ℹ︎

As opiniões expressas pelos viajantes colaboradores são próprias e nem sempre refletem o pensamento do Territórios. Conheça o autor ou deixe um comentário.

Acesso rápido: Relato | História | Onde comer |

Quindim é feito com gema de ovo e coco
Quindim é feito com gema de ovo e coco

Bom… mas não querendo desviar do tema, vamos falar dos doces. Entre uma mordida e outra no famoso quindim, a empresária Maria Helena Lubke Jeske, da confeitaria Imperatriz Doces Finos me explicava a origem deste doce, que tem como ingredientes gema de ovo, açúcar e coco ralado.

“As receitas são vindas de Portugal mas também tem influência africana. Na época das charqueadas, quem produzia o quindim e ralava o coco eram as mulheres escravas vindas da África”, disse.

Camafeu de verdade só nas confeitarias que vendem doce de Pelotas
Camafeu

E o camafeu? Para quem não conhece, vou apresentá-lo:

O Camafeu é composto de pasta de nozes e glacê. Delicioso doce inspirado em pedras entalhadas ou esculpidas, em formato de uma joia, muito usado na decoração por nobres franceses durante os séculos XV e XIX. Está bom ou quer mais?

Depois de experimentar o saboroso Camafeu, fui à casa da confeiteira Ana Beatriz Menna Barreto. Quem me recomendou foi a Roberta, aqui do site. Conhecida por fazer os famosos pastéis de Santa Clara (somente sob encomenda), Ana contou a história desse delicado doce, feito com ovos moles e uma massa extremamente fininha.

“Este doce é de origem portuguesa. A receita surgiu no interior de um convento denominado Santa Clara. É daí que vem o nome pastel de Santa Clara. Naquela época, as freiras engomavam os tecidos com as claras dos ovos e na ocasião a gema então era aproveitada”, explicou a doceira.

Ana Beatriz prepara os tradicionais pastéis de Santa Clara
Ana Beatriz prepara os tradicionais pastéis de Santa Clara
Doce negrinho é facilmente encontrado nas confeitarias do Rio Grande do Sul
Negrinhos

Viu? Por traz de todo o doce, sempre tem uma história. Até o mais popular, aquele que chamamos de Brigadeiro ou Negrinho. Sim, aqui no Rio Grande do Sul é chamado de Negrinho, e fim de papo. Quem me contou o passado dele foi um personagem que pode ser encontrado nas imediações do Mercado Público chamado Mr. Negrinho

“Logo após a abolição da escravatura, os escravos para sobreviver produziam e vendiam doces. Estes doces eram vendidos pelos filhos das escravas, que eram negrinhos. Dá-se aí o nome da famosa bolinha de leite condensado e chocolate em pó”.

^ Voltar ^

As histórias dos doces de Pelotas

Quem circula pelo centro de Pelotas, se depara facilmente com várias com várias confeitarias/docerias, que podem elevar seu nível de glicose dos parâmetros normais (abaixo dos 100mg/dl) até os níveis mais alto de glicemia, como esta bomba calórica – pedaço de torta + cappuccino, que recomendo quem curte comer bem sem sentir culpa na consciência.

Torta de morango com chocolate na Doceria Márcia Aquino
Torta de morango com chocolate na Doceria Márcia Aquino
quero dicas do Brasil

Doceiras e confeitarias, saiba onde comer e sair satisfeito

Imperatriz Doces Finos
Imperatriz Doces Finos

Doceria Márcia Aquino oferece doces e tortas em novo endereço: Av. Adolfo Fetter, 2816 – loja 3.

Doçaria Monalu traz os doces tradicionais em tamanho reduzido. Na Almirante Barroso, 2510.

Imperatriz Doces Finos é pra provar os doces e tomar um café sentado dentro do Mercado Público, localizado na Praça Sete de Julho, 179.

Rua dos Doces é onde algumas doceiras expõem seus produtos em barracas de rua. Doces para levar na Travessa Ismael Soares, centro.


Chocolate & Café

+ Conheça também Benevento Chocolate & Café nos Caminhos de Pedra

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Para quem chegou até aqui, agradecemos por valorizar o nosso conteúdo. Diferente das grandes corporações de mídia, Territórios é independente e se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e ouvintes. Você pode apoiar o nosso trabalho de diversas formas como:

1. Aproveitar os benefícios do financiamento coletivo

2. Levar nossos guias de viagem no celular

3. Contratar produtos e serviços recomendados através dos links nos artigos. Exemplos e como fazer: alugar veículos, reservar hospedagem e excursões, comprar seguro, chip internacional e moeda estrangeira, entre outros. A venda nos gera uma comissão sem aumentar o valor final, inclusive, repassamos os descontos para você.

A informação foi útil? Talvez queira apoiar e fazer parte da comunidade Territórios!

Compartilhe ideias e converse com outros leitores no grupo no Facebook ou acompanhe no Spotify e grupo de avisos do Whats App.

Você está em INICIAL » BRASIL » RIO GRANDE DO SUL » PELOTAS » Por trás de todo doce há uma história e muitas confeitarias
quero dicas do Brasil
Author Luciano Nagel

Jornalista, gaúcho, freelancer correspondente do jornal O Estado de São Paulo (Estadão), portal de notícias UOL e Deutsche Welle (DW), emissora internacional de jornalismo da Alemanha. Bolsista da Heinz-Kühn-Stiftung, na Alemanha em 2009. Viveu na Inglaterra, Portugal e Alemanha. Colaborador do Territórios e apaixonado por viagens e culturas.

Deixe seu recado, escreva algo

Pin It