safari no mundo

Maasai Mara, o epicentro do safari mundial


Depois de relatar experiências emocionantes nos cinco destinos visitados no Quênia, chegou a hora de mostrar a cereja do bolo, o nirvana dos fotógrafos e maior santuário selvagem do planeta. O lugar que te leva direto pra dentro de um programa da National Geographic ao vivo e sem intervalos. Bem vindo à Maasai Mara National Reserve, o epicentro do safari mundial!

Atenção! O Quênia não está permitindo a entrada de turistas no país.

Leia todos os artigos sobre o Quênia

Nota do editor: Este não é o melhor momento de viajar para fora do Brasil, mas pode ser agradável planejar uma viagem futura ou aprender algo lendo nossas experiências. Continue conosco!

O parque conhecido pela quinta maior migração do mundo divide seu ecossistema com o vizinho Serengeti, na Tanzânia, e é o melhor lugar para se fazer safari na África devido a sua rica diversidade. São 250 mil hectares em solo vulcânico fértil onde os animais sabem da existência de alimento o ano todo e ainda se transforma em um verdadeiro banquete depois das chuvas de junho. Festim também para fotógrafos, viajantes e amantes da natureza que costumam lotar o parque até meados de outubro.

Pôr do sol épico na savana africana
Pôr do sol épico na savana africana

Reserva faz parte dos meus 5 destinos para fotografar

Leopardo na árvore
Leopardo na árvore

Fui antes das chuvas, próximo ao final deste ciclo, e já na primeira saída vi mais vida selvagem do que pude contar. A maioria guepardos (cheetas), mas o ranger (o profissional misto de motorista, guia e entendido de biologia e veterinária) garantiu que o número de leopardos escondidos na copa das árvores é maior. Eu acredito, porque todos os dias avistei o felino mais difícil de ser encontrado na savana, um dos BIG FIVE: leão, leopardo, búfalo, elefante e rinoceronte. Desses, só faltou ver o rinoceronte em Maasai Mara por questão de proteção. O governo decidiu levar todos da espécie para reservas mais seguras como Lewa Wildlife Conservancy, já que os países vizinhos não conseguem conter a caça ilegal e os animais tem livre acesso nas fronteiras.

Passei dois dias inteiros por lá e, além dos safaris pela manhã, tarde e noite, teve nasceres e pores do sol épicos, voo de balão, visita a tribo Maasai (ou Masai) e a contrastante experiência de acampar com muito luxo em ambiente selvagem de verdade. A maioria dos hotéis fica nas áreas de conservação ao redor da reserva, no entanto, só percebi esses limites vendo o mapa porque não existe cerca e durante o safari entrávamos e saíamos apenas seguindo os rastros dos animais na planície.

Sobre a grande migração dos Gnus

É um fenômeno natural dramático entre as oito maravilhas naturais do mundo. Anualmente, gnus deixam o Serengeti rumo a Maasai Mara em busca de água e alimento. Além dos 1,3 milhões de gnus, 200 mil zebras e 18 mil antílopes acompanham e o conjunto é chamariz para os predadores: leopardos, leões e guepardos. Sem falar nos crocodilos esperando ansiosos pelo período das vacas gordas, quer dizer, dos gnus gordos.

Nas margens do Rio Mara é o melhor lugar para presenciar a migração por ser o ponto crítico da jornada. Quando alcançam o rio, ficam parados escolhendo o melhor momento até que um decide ir e todos vão. Saltam em debandada e logo vem os ataques de crocodilos, a fadiga contra fortes correntes, os afogamentos… é um tumulto que gera fotos incríveis com muita poeira e jogo de luzes naturais. As quenianas que viajaram comigo me contaram esta experiência e me deixaram empolgadíssima para voltar nesta época.

Imagina um milhão de gnus nesses campos?
Apenas sete gnus, agora imagina um milhão deles nesses campos?

Tome Nota

Quando ir: entre julho e março, sendo agosto e setembro a alta temporada por causa da Migração dos Gnus.

Como chegar: voos diários partem de Nairóbi e de outras regiões. Eu vim de Lewa em uma hora de viagem até a menor pista de pouso que já vi, a Olkiombo Airstrip. Até os tripulantes acharam difícil encontrar na hora de pousar, mesmo assim, o pouso foi tranquilo. A reserva fica 300 km distante da capital do Quênia pela Via Narok. Se for corajoso para ir de carro, opte por modelos 4×4 nas cores bege ou verde para despistar animais selvagens.

Onde ficar em Maasai Mara: minha experiência foi luxo no OLARE MARA KEMPINSKI, em Olare Orok Conservancy, mas existem outras opções mais simples e rústicas no Booking.

Pista de pouso em Maasai Mara

Esta viagem foi patrocinada pelo Kenya Tourism Board.

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

A informação foi útil? Então apoie o Territórios!

Alugar veículos, comprar seguro, moeda estrangeira ou excursões, além de reservar hotéis através dos links indicados é uma forma de colaborar com as despesas do serviço feito com muita dedicação por aqui. A venda gera uma comissão, mas você não paga nada a mais por isso, inclusive, repassamos os descontos. Saiba mais clicando nos links.

Veja mais artigos sobre os 10 dias no Quênia:

8 cascatas para o mar – Swahili Beach Hotel

Brunch na savana africana

Luxo e vista no Hemingways Nairóbi

Lewa, o verdadeiro safari camp

Sea Safari e meus dias em Diani Beach

Dois dias na capital do Quênia

Um dia no Kisite Marine Reserve

O paraíso no Quênia (vídeo)

Babies africanos

Emoção e informação no orfanato de elefantes (vídeo)

Safari a cavalo

17 coisas pra fazer antes de morrer

10 dias em 1 minuto (vídeo)

INICIAL » EXPERIÊNCIAS » SAFARI » Maasai Mara, o epicentro do safari mundial
Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 14 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

2 comentários

  1. Excelente post sobre o Quenia!!

    1. Obrigada Cristiano, tem vários posts sobre o país e ainda vou escrever mais dois pra finalizar a série

Deixe uma resposta