Imagina um lugar louco, com lagos surreais e castelos pra lá de gigantes. Agora imagina viajar com amigos que topam suas loucuras. Em seguida, imagina tudo isso junto, somado a um carro pequeno (que até foi nosso hotel algumas vezes) e uma vontade doente de descobrir o mundo. Imaginou? Então, isso foi só 10% de como realmente foi a viagem a Escócia.

Atenção! Turistas brasileiros são obrigados a fazer quarentena de 14 dias ao entrar no Reino Unido.

O texto continua após os serviços recomendados no destino.

AGILIZE SUA VIAGEM
Seguro viagem é obrigatório: saiba como comprar online

Leve o chip internacional com Internet desde o Brasil

Pegue as dicas para alugar um carro no exterior

Quer agendar passeios e transfer agora? Use a Get Your Guide ou saiba como funciona

Sentados no píer do lago na Escócia
Sentados no píer do lago

Por Rodrigo Baena ℹ︎

As opiniões expressas pelos viajantes colaboradores são próprias e nem sempre refletem o pensamento do Territórios. Conheça o autor ou deixe um comentário.

Eu, Fernando e Willian. Amigos de datas antigas de quando os três ainda trabalhavam num banco no Brasil.

Viagem de carro pela Escócia

Em todo lugar que parávamos virava festa. Já na fronteira do país, paramos em um mercado para pedir informação e comprar algo para a viagem. Enquanto um foi perguntar para o senhor da lojinha onde a gente estava (porque estávamos perdidos, claro), o Willian foi tentar comprar algo do lado errado do balcão. O senhor parou de falar comigo para dizer que clientes geralmente ficavam do outro lado, risos. Para não sair de mão abanando compramos um refrigerante local. A cor dele parecia de um produto de limpeza, mas o gosto… era pior!

Escovando os dentes ao ar livre (depois de passar frio dormindo no carro)
Escovando os dentes ao ar livre (depois de passar frio dormindo no carro)

Nossa meta era chegar no famosos lago Ness. Queríamos ver o monstro de perto. Saímos de Oxford, onde eu morava, às 4 da manhã. Três horas mais tarde tivemos que parar para ver o nascer do Sol. Mesmo tendo visto isso várias vezes, esse ainda era mais mágico.

Com um carro pequeno, mas rápido, chegaríamos a Escócia em menos de 6 horas, se não parássemos tanto. Como a gente queria ver tudo, decidimos parar onde parecia legal, como um lago bem na frente de uma montanha linda. Até sentamos no píer para tocar violão. Resultado: chegou a noite e ainda estávamos a umas duas horas da capital do país. Como estávamos no esquema topa tudo, quando alguém sugeriu de dormirmos no carro para economizar uma grana e acordar bem na frente de uma montanha linda, topamos na hora.

Castelo de Edimburgo, na Escócia
Castelo de Edimburgo
+ Leia também sobre Irlanda

Rumo a Edimburgo

De manhã, depois de acordar com dor nas costas e morrendo de frio, partimos para Edimburgo, a capital da Escócia. Uma cidade linda, daquelas de filme. O frio ainda dava um ar especial para a cidade, localizada bem nas montanhas. Depois de tomarmos uma autêntica cerveja escocesa, fomos conhecer o castelo principal da cidade. Achamos um albergue para ficarmos a noite e até descobrimos que poderíamos trabalhar no hostel por duas horas para não pagar a diária! De manhã cedo partimos para o lago Ness. Olha para um lado, para o outro e nada de monstro. Até que bem atrás de nós vimos não só um, mas uns 40 monstrinhos numa barraca para vender. Sabia que era verdade!

Na volta, ainda passamos em Glasgow por uma noite. Uma cidade que parecia um pouco São Paulo, meio cinza, cheia de carros e prédios. Ficamos só para a noite mesmo e partimos logo cedinho para casa, passando e parando em quase todas as cidades que víamos no caminho.

E quem teve a grande ideia de escalar uma montanha só pra ver uma neve que ainda sobrava bem no alto? quem? quem? O que parecia uma caminhada de 10 minutos para chegar na neve, demorou quase duas horas. Até celebramos com um mini champanhe.

Celebrando a chegada no pequeno volume de neve
Celebrando a chegada no pequeno volume de neve
No Lago Ness
No Lago Ness

Já dizia o poeta: “tudo vale a pena se a alma não é pequena” (e a nossa era gigante).

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Para quem chegou até aqui, agradecemos por valorizar o nosso conteúdo. Diferente das grandes corporações de mídia, Territórios é independente e se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e ouvintes. Você pode apoiar o nosso trabalho de diversas formas como:

1. Aproveitar os benefícios do financiamento coletivo

2. Levar nossos guias de viagem no celular

3. Contratar produtos e serviços recomendados através dos links nos artigos. Exemplos e como fazer: alugar veículos, reservar hospedagem e excursões, comprar seguro, chip internacional e moeda estrangeira, entre outros. A venda nos gera uma comissão sem aumentar o valor final, inclusive, repassamos os descontos para você.

A informação foi útil? Talvez queira apoiar e fazer parte da comunidade Territórios!

Compartilhe ideias e converse com outros leitores no grupo no Facebook ou acompanhe no Spotify e grupo de avisos do Whats App.

Author Rodrigo Baena

Rodrigo Baena é jornalista por profissão, fotografo por paixão e viajante "quase" profissional.

5 Comentários

  1. hahaha! Colegas agora né? Quando ficamos perdidos no meio do nada era o melhor amigo do mundo. rsrs!

    Vamos fazer outra dessas?

  2. Confesso que foi a melhor viagem a melhor aventura com os melhores colegas, pois não considero como amigos .

  3. fernando moura Responder

    Caraaaaaaaca que saudade disso mermão!!!!……uuuuuhhhhhuuuwwwwwwwww
    realmente foi incrível!!!

  4. Emerson Fernandes Responder

    Puts, que demais, queria estar nessa trip. Amigos e lugares novos, para que mais? Parabéns garotos.

Deixe seu recado, escreva algo

Pin It