Solidariedade em Lugares Apaixonantes pelo Brasil

Solidariedade em forma de Lugares Apaixonantes pelo Brasil


Embora o momento atual seja sem precedentes, não é a primeira vez que o turismo é afetado por fenômenos naturais, guerras, doenças e outros motivos causados por nós mesmos, humanos. Seja para se sentir melhor, minimizar o dano ou ser genuína a vontade de ajudar quem precisa, solidariedade sempre está presente e é muito bem-vinda. Por isso, escolhemos como tema do podcast Tesão de Ouvir. O sexto episódio traz convidados especiais para contar sobre o projeto responsável por ajudar famílias que perderam a renda por causa da pandemia e inspira a viajar pelo nosso Brasil.

Solidariedade é o sentimento de amor e compaixão pelos necessitados ou injustiçados que impele o indivíduo a prestar ajuda moral ou material. Também aquela ligação recíproca entre duas ou mais pessoas, ou coisas, que são dependentes entre si.

Acesso rápido: Ouça o podcast | Motivos para ajudar | Ebook | Projeto| Como ajudar | Como doar

Começamos deixando perguntas e adoraríamos ler a sua opinião sobre solidariedade nos comentários

Você é solidário ou egoísta? O que torna uma pessoa mais solidária? 

Em momentos difíceis como estamos vivendo agora, é comum as pessoas praticarem mais a solidariedade se mobilizando para ajudar o próximo. Inclusive, entre as palavras mais buscadas no Google Brasil entre março e abril está o termo “Como ajudar”. Afinal, muitos não fazem ideia por onde começar, outros já criam algo no impulso e vão aprendendo durante o processo e alguns acabam se surpreendendo com os resultados alcançados.

Primeiro, pensamos em trazer exemplos vividos por nós como a experiência de voluntariado na Suazilândia ou o que o jornalista Luciano Nagel viu e sentiu ao se deparar em situações críticas de sobrevivência cobrindo tragédias pelo mundo. Entre elas a epidemia do cólera no Haiti, o forte terremoto de 8.8 no Chile ou o resgate dos 33 mineiros no Atacama. 

É impressionante como foi o movimento de solidariedade para essas pessoas vindos do mundo inteiro.” Lembra Luciano.

Contudo, temos um exemplo muito mais atual e próximo, uma campanha ainda em andamento está ajudando famílias que dependiam do turismo e perderam a renda por causa da pandemia. 70 produtores de conteúdo se reuniram para criar um guia afetivo com 340 páginas contendo atrações de todos os estados e Distrito Federal. 

Fui um deles e chamei 4 colegas para se juntar a nossa conversa e contar de onde veio essa ideia, como é a escolha das instituições beneficiadas e como podemos ajudar. No final tem bônus, cada um traz um trecho do seu texto preferido publicado no e-book Lugares Apaixonantes pelo Brasil. Aperte o play para ouvir na íntegra ou procure Tesão de Ouvir na sua plataforma de áudio preferida.

^ Voltar início ^

Para resumir, deixo os principais motivos para ajudar, seguido pelos lugares afetivos relatados por nós na conversa:

Amparar famílias em situações de risco

A cada doação não são mais 70 produtores de conteúdo, são todas aquelas pessoas que doaram. Então esse grupo vai aumentando. Isso que é o lindo desse e-book, essa oportunidade da gente estar perto dessas pessoas que também amam viajar e querem ajudar.” Afirma Mirela Matthiessen.

Incentivar o turismo nacional

Cada um escolheu sobre o que queria escrever, então a ideia também é inspirar outros brasileiros a conhecer lugares que talvez não sejam tão turísticos. Chamamos de guia afetivo porque a maioria escreveu sobre destinos e indicações que saem do coração mesmo.” Menciona Lucila Runnacles.

Levar um guia inspiracional e atemporal que valeria mais de 50 reais se fosse vendido normalmente

O valor mínimo de R$ 10 é para inclusão social, para mais pessoas terem acesso ao prazer da leitura. Quem pode doar mais, vai pagar o quanto acha valer o nosso trabalho de produzir esse material.” explica Gardênia Rogatto.

Valorizar o trabalho dos produtores de conteúdo que confia

Esse dinheiro vem representando não só ajudar as pessoas no impacto social, mas também valorizar o trabalho que é cada vez mais utilizado pelas pessoas para viajar. Essa credibilidade toda que se tem hoje nos produtores de conteúdo deve ser valorizada.” Reforça Gardênia Rogatto.

Movimentar a economia

“Ao mostrar esses lugares e inspirar as pessoas a irem, a gente vai movimentar futuramente a economia e os pequenos negócios desses lugares. O turismo, conforme os economistas, mexe com 54 segmentos da economia e faz o dinheiro chegar mais rápido na mão de quem precisa. Então, quanto mais gente for e souber que aquilo existe, nosso trabalho vai continuar gerando retorno muito grande para todas as comunidades mencionadas no guia.” Destaca Anchieta Júnior.

^ Voltar início ^

Trechos do ebook

Uma das minhas contribuições foi sobre o Vale do Arabobo, no Monte Roraima. Talvez o lugar mais difícil de chegar de todos. Enquanto Anchieta Júnior destacou lugares de proximidade como Baturité, em um roteiro de fé e de cultura no Ceará. 

Mirela mencionou o Delta do Parnaíba* como umas das viagens mais incríveis que fez pelo país, e Lucilla traz a Ilha do Mel* como um dos lugares mais lindos do sul do Brasil. Já Gardênia não conseguiu escolher um só lugar, citou todos, sendo a maioria no litoral brasileiro, além de Manaus* e a Rota Farroupilha*.

Solidariedade em forma de Lugares Apaixonantes pelo Brasil

*Esses links levam para os meus textos aqui no Territórios, faça a sua doação para ler a versão deles.

^ Voltar início ^

Pratique solidariedade

Onde doar: por meio do link https://combatecovid.org/guiasolidario

Como contribuir: o e-book será distribuído como recompensa para quem fizer uma doação a partir de R$ 10 para a iniciativa, sendo o tíquete médio cerca de R$ 36 e quanto mais alto, mais famílias serão amparadas mais rapidamente.

^ Voltar início ^

Solidariedade em forma de Lugares Apaixonantes pelo Brasil

A campanha “Lugares Apaixonantes pelo Brasil” foi inspirada em uma experiência de sucesso na Itália, onde um grande grupo de blogueiros de viagem criou um guia de seu país para ajudar a arrecadar fundos para o combate à Covid-19.

A exemplo da experiência italiana, o objetivo é inspirar brasileiros a se reconectarem com nosso país através de destinos afetivos. A ação é uma iniciativa totalmente solidária, voluntária e, propositalmente sem patrocinadores, para que toda renda arrecadada seja distribuída integralmente a projetos sociais ligados ao setor turístico. 

O e-book brasileiro começou a ser gestado quando Deb Waldmann, produtora de conteúdo brasileira que mora na Itália e assina o Segredos da Itália, conheceu e se encantou pela iniciativa dos colegas italianos. Ela não pensou duas vezes e fez um convite aberto a todos os companheiros brasileiros que quisessem cooperar. 

Fui chamando blogueiros amigos, e os amigos chamaram seus amigos, que de imediato se prontificaram a participar e ajudar os destinos que amam, chegando, assim, ao grupo atual”, relata.

Há contribuições inclusive, de produtores de conteúdo brasileiros que, hoje vivem em outros países, como Itália, Irlanda, Portugal e Austrália, com fusos-horários diversos, mas que fizeram questão de se engajar em um trabalho tão afetivo e empático.

Como a solidariedade saiu do papel

Todos enviaram textos e fotos, mas alguns se envolveram mais nos bastidores para o guia tomar forma e ser eficaz nos seus propósitos. Como o projeto gráfico e editorial com a colaboração voluntária de Patricia Papp (Viajo com Filhos), que além de blogueira é uma experiente editora (Editora Pulp); enquanto a relação com as instituições escolhidas para receber os recursos, assim como a implementação do sistema de doações, ficou a cargo de Lucila Runnacles (Viagem Cult).

Já a estratégia de comunicação e a confecção do material de divulgação leva a assinatura de Gardenia Rogatto (Não Pira, Desopila), Mirella Matthiesen (Viajoteca e Mikix), Anchieta Dantas Jr. (Blog Andarilho), Guta Cunha (Vambora!) e Marcella Pacca (Segredos de Viagem). A esse time, juntou-se ainda Juliana Simões (Mais Uma Pra Conta) e Ana Duék (Viajar Verde) na edição do vídeo de divulgação da iniciativa. Desde então, nós, os 70 envolvidos nos esforçamos para espalhar essa ideia aos quatro cantos e ajudar mais famílias.

^ Voltar início ^

Como ajudar? Doações, instituições e projetos contemplados

As doações foram divididas em lotes de R$ 10 mil para apoiar causas diversas ligadas ao turismo e o montante de R$ 40 mil já foi atingido em 20 dias. Portanto, decidimos aumentar a meta e o prazo para contemplar mais instituições e um número maior de estados beneficiados. O primeiro lote foi integralmente destinado à operadora Vivejar, empresa social que estimula o turismo responsável e sustentável. A operadora destinará as doações oriundas do e-book a dois projetos que atendem seis comunidades que trabalham com turismo comunitário e perderam quase toda sua renda nesse momento: o projeto Favela Orgânica, nas comunidades da Babilônia e Chapéu Mangueira, no Rio de Janeiro; e a Turiarte, que trabalha com artesãs locais em Santarém, no Pará. 

O segundo lote será destinado aos Guias de Turismo do Parque Nacional Serra da Capivara – Os Pimenteira, no Piauí, e ajudará a comunidade Sítio do Mocó com cestas básicas. Com o parque fechado desde março, a comunidade está em dificuldades, assim como os condutores de visitantes, que não possuem outra fonte de renda.  

O terceiro projeto a ser beneficiado será o Mães da Favela da CUFA (Central Única das Favelas), que destinará o valor à entrega de fraldas para uma das comunidades onde atua em Goiás.

O quarto lote virá para o Rio Grande do Sul, especificamente para a minha região, a Associação de Artesanato da Costa Doce agrega o artesanato da fauna local, da lã de ovelha e das redes de pesca. Tudo isso é vendido em uma loja no Mercado Central de Pelotas e está fechado agora porque o estado está quase todo em bandeira vermelha. Com o comércio fechado, eles não têm como vender. 

Além de doar, você pode participar compartilhando o projeto e recomendando instituições para serem avaliadas e votadas por nós, deixe seu recado aqui ou procure pela #LugaresApaixonantesPeloBrasil nas redes sociais.

Para finalizar o episódio, Luciano deixou uma mensagem para pensar:

“Vale ressaltar, segundo o tradicional ditado judaico lembrando que a caridade deve ser anônima, do contrário ela acaba virando vaidade. O valor desse ditado  é evidente e devemos tomar muito cuidado porque solidariedade não é publicidade.”

^ Voltar início ^

Mais Produtores de conteúdo participantes do projeto:

^ Voltar início ^

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 14 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta